Colheita - Néctar de Mirtilo Selvagem

O Vaccinium Myrtillus, cresce sobretudo na parte norte do hemisfério norte, podendo no entanto estender-se a zonas um pouco mais para sul, sobretudo em altitude em zonas de montanha. Nas zonas mais a norte, onde o calor estival e a radiação solar são menos intensos, pode crescer tanto em florestas, como em zonas abertas sem árvores ou com baixa densidade arbórea.

Os mirtilos utilizados em Betulum – Néctar de mirtilo selvagem são exclusivamente da espécie Vaccinium Myrtilus, sendo colhidos à mão em zonas selecionadas de floresta, entre várias dezenas de milhares de hectares, escolhendo-se ao longo da estação de colheita as frutas que se apresentam em bom estado, com um grau de maturação adequado.

A maturação dos mirtilos selvagens, sob a proteção criada pelas árvores da floresta, é mais lenta do que em zonas abertas sem árvores, devido a uma menor temperatura diurna, e a uma radiação solar menos intensa. Tal faz com que os mirtilos apresentem um sabor mais requintado, apresentando igualmente um teor mais baixo em açucares.

Os mirtilos utilizados em Betulum são colhidos geralmente entre finais de Julho e finais de Agosto, altura em que é possível encontrar frutas com um estado de maturação ideal.

A espécie Myrtillus apresenta várias características que a tornam diferente das outras espécies do género Vaccinium, que produzem frutos azuis em forma de baga. É um arbusto rasteiro que ao longo dos anos vai crescendo lentamente em superfície, com caules finos e raízes pouco profundas. Apresenta uma produção de fruta com bagas isoladas, pontualmente agrupadas duas a duas. São bagas de pequena dimensão, com cerca de 0,3 g/baga, de cor azul escura a negra, com polpa de intensa cor vermelha.

 

A colheita dos frutos do Vaccinium Myrtilus é muito mais morosa que a de outras espécies de bagas, pelo carácter rasteiro da espécie, pela sua apresentação em frutos isolados, e pela sensibilidade das plantas de pequeno porte à utilização de “pentes” de colheita, que podem danificar os seus ramos e raízes. A morosa colheita manual assegura uma sustentabilidade das zonas destes arbustos, que não só constituem um alimento para consumo humano, mas que são também uma importante fonte de nutrientes para os animais que habitam a floresta, providenciando-lhes uma preciosa reserva nutricional que lhes permita sobreviver aos rigores do inverno.  

As bagas são colhidas preferencialmente nas primeiras horas do dia, quando se encontram mais frescas, dando entrada nas instalações de processamento rapidamente após a sua colheita.

Betulum – Nectar de Mirtilo selvagem, com o máximo respeito pela natureza, é produzido com o mais requintado dos mirtilos (o verdadeiro Myrtillus) em termos de sabor e propriedades nutricionais, nascido e criado num ambiente florestal puro, certificado biologicamente, tal como a sua cuidada colheita.