Uso histórico do Néctar de Mirtilo

À semelhança de várias espécies de animais selvagens, é presumível que o consumo de mirtilos selvagens (vaccinium myrtillus) pelo Homem seja muito antigo e nos possa levar até aos tempos pré-históricos. Este facto foi comprovado com descobertas em diversos locais arqueológicos. No Tirol, num corpo humano da Idade do Gelo, encontrado em 1991, identificou-se a existência de pólen do género “vaccinium” no aparelho digestivo.

A primeira utilização conhecida dos mirtilos selvagens, em termos de saúde, leva-nos até ao século XIII, quando a médica e abadessa Beneditina Sta. Hildegarda de Bingen fazia referência á mesma.

As referências seguintes sobre a utilização dos “myrtillus”, relacionadas com o seu valor para a saúde, datam do início do século XVI, quando herbanários alemães reclamavam a sua eficácia para tratar pedras na bexiga, bem como problemas de pulmões e de fígado. Na primeira metade do século XVII o fruto do “myrtillus” foi incluído na primeira edição da Farmacopeia de Amsterdão. Encontram-se também referencias a várias utilizações tradicionais, mesmo antes do século XVI, para tratar diarreias, hemorroidas, inflamações gastrointestinais e problemas urinários.

Durante a 2ª Guerra Mundial, os pilotos aviadores britânicos reportaram que depois de ingerir compota de mirtilo a sua visão noturna melhorava significativamente. Após isto, durante a segunda metade do século XX, foram executados diversos estudos de investigação sobre a composição e as propriedades para a saúde dos mirtilos selvagens, nomeadamente em relação com o seu poder antioxidante, e com os seus efeitos ao nível dos olhos, do sangue e do sistema cardiovascular. Descobriu-se que muitas das propriedades dos mirtilos selvagens em termos de saúde estão ligadas ao seu alto teor em antocianinas (o mais alto entre as espécies do género vaccinium) bem como a outros flavonoides e fenóis.

 

Recentemente, devido às suas propriedades saudáveis, os mirtilos selvagens estão também disponíveis secos, em pó, em extractos ou como sumo de extração direta. No entanto, quando se dispõe de fruta de primeira escolha, porquê perder o fantástico sabor da fruta fresca selvagem, “embalado” com o equilíbrio de todos os seus nutrientes originais?

BETULUM - Néctar de Mirtilo Selvagem, a pureza da floresta embalada numa garrafa.